8ª Semana - 1º e 2º Ano

Que tal fazer uma pista de carrinhos? Os pequenos adoram brincar!

MATERIAIS:

Caixa de papelão; Tesoura sem ponta; Canetas coloridas; Papel;

Cola; Carrinhos.

COMO FAZER:

Decida o modelo que você vai fazer, para escolher o formato da caixa: sapato ou tampa de caixa de pizza. Em seguida, faça os recortes na caixa para dar o formato da pista ou garagem que você vai construir. Modele a caixa e utilize as canetinhas coloridas para fazer as marcações. Divirta-se!!!

Estimula a leitura de maneira divertida.

MATERIAIS:

Tesoura sem ponta; Canetas coloridas; Papel;

Cola; Carrinhos.

COMO FAZER:

Use as canetinhas coloridas para demarcar o percurso dos carrinhos. Recorte os cartões e escreva as palavras. Em seguida distribua as palavras por toda a pista. A criança deve andar pelo percurso e realizar a leitura de cada palavra que encontrar, até à linha de chegada: EU JÁ SEI LER! Quando não conseguir, deve estacionar e o motorista seguinte continua.

(As palavras podem ser móveis para serem substituídas a cada rodada).

Outra possibilidade com a lata é construir um PÉ DE LATA. Uma brincadeira divertida que poderá ser feita com a ajuda da criança.

MATERIAIS: 

  • Latas usadas (leite ou achocolatado);
  • Barbante ou corda de náilon.
  • COMO FAZER:

Separe latas usadas, do mesmo tamanho (achocolatado ou leite em pó, por exemplo). Com a ajuda de um adulto, faça dois furos opostos no fundo. Passe uma corda de náilon de 1,2 metro pelos furos da lata e una as extremidades com um nó bem forte dentro do recipiente.

Coloque a tampa. Faça o mesmo com outra lata. Decore como quiser! As crianças sobem nas latas e tentam se equilibrar segurando nas cordas. Além de andar com os pés de lata, eles vão se divertir apostando uma corrida, andando para trás ou vencendo um percurso.

O ingrediente

  • 1 xícara (chá) de achocolatado ou chocolate em pó
  • 1 xícara (chá) de açúcar
  • 2 xícaras (chá) de trigo peneirado
  • 1 xícara (chá) de óleo
  • 1 xícara (chá) de leite
  • 2 ovos
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

    Calda:
  • 1 colher (sopa) de margarina
  • 3 colheres (sopa) de achocolatado ou chocolate em pó
  • 3 colheres de açúcar
  • 1 xícara (chá) de leite
  1. Unte uma forma de buraco pequena com margarina e
  2.  
  3. Bata no liquidificador, o óleo, o leite e o
  4. Acrescente o trigo, o açúcar e o
  5. Bata
  6. Em seguida acrescente o fermento e
  1. Despeje na forma e leve ao forno em temperatura média por cerca de 35

    Calda

Em uma panela coloque no fogo médio a margarina para

  1. Assim que derreter coloque o açúcar e em seguida o achocolatado, por último acrescente o
  2. Mexa de vez em quando para não grudar, espere engrossar um pouco e despeje ainda quente no bolo.

Uma criança fica com o anel entre as mãos enquanto as

outras permanecem sentadas uma ao lado da outra e todas com as palmas das mãos unidas.

A criança com o anel passa suas mãos pelas mãos dos amiguinhos e solta o anel nas mãos de um deles, sem que os outros notem. Quando acaba, pergunta para um dos participantes (que ela escolhe) com quem ele acha que está o anel. Se ele acertar, será o próximo a passar o anel; se errar, passará o anel quem o tiver recebido.

7ª Semana - 1º e 2º Ano

Várias pessoas formam uma roda. Juntam-se as mãos e vão batendo na mão de cada membro conforme vai passando a música. Bate na mão de sílaba em sílaba, fala uma sílaba e bate na mão do companheiro do lado, fala outra sílaba e o companheiro bate na mão da outra pessoa. Assim por

    • A música vai terminar no “eu”. Quando terminar, a pessoa que recebeu o tapa na mão por último terá que pisar no pé de alguém (cada pessoa do jogo só poderá dar um passo na hora que terminar a música). Se ela conseguir, a pessoa em quem ela pisou é eliminada. Se não conseguir, sai. A música é assim:

Faixa etária indicada: acima de 03 anos

  • Habilidades envolvidas: Atenção e foco; Controle de impulsos; Ritmo; Memória auditiva de curto prazo
  • Aprender essas canções, além de ser um ótimo passatempo, desenvolve a memória auditiva de curto prazo, a atenção e a consciência fonológica de seu filho. Dentre as canções cumulativas mais conhecidas, podemos citar “A velha a fiar”, “A árvore da montanha”, “Fui visitar minha tia em Marrocos”, “Lá em casa” e “Meu galo”.

  • Faixa etária indicada: acima de 02 anos
  • Participantes: a partir de 02
  • Habilidades envolvidas: Controle de impulsos; Raciocínio lógico; Habilidades sociais
  • Como a “Cabaninha”, essa brincadeira é muito simples e ajuda a desenvolver habilidades sociais. Você pode ceder utensílios para serem utilizados na “casinha”, ou seus filhos podem produzi-los usando sucata. A simulação da vida real é uma ótima maneira de despertar na criança a noção de responsabilidade.

  • Faixa etária indicada: acima de 03 anos
  • Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora grossa; Equilíbrio; Orientação espacial; Lateralidade; Ritmo
  • Com um pouco de treino, as crianças conseguem manter o bambolê girando em volta da cintura. Pode-se tocar uma música durante a brincadeira. Se houver mais de uma criança, vence quem mantiver o bambolê no ar por mais tempo, devendo a outra pagar

Espécie de jogo verbal que consiste em dizer, com clareza e rapidez, versos ou frases com grande concentração de sílabas difíceis de pronunciar, ou de sílabas formadas com os mesmos sons, mas em ordem diferente. Vamos tentar:

“QUANDO TOCA A RETRETA, NA PRAÇA REPLETA, SE CALA O TROMBONE, SE TOCA A TROMBETA.”

“NO VASO TINHA UMA ARANHA E UMA RÃ. A RÃ ARRANHA A ARANHA. A  ARANHA ARRANHA A RÃ.”

“- ALÔ, O TATU TAÍ? – NÃO, O TATU NUM TÁ. MAS A MULHER DO TATU TANDO É O MESMO QUE O TATU TÁ.”

“TECELÃO TECE O TECIDO, EM SETE SEDAS DE SIÃO. TEM SIDO A SEDA TECIDA, NA SORTE DO TECELÃO.

“TIGELINHA DE ÁGUA FRIA, QUE CAIU DA PRATELEIRA, FOI NOS OLHOS DE MARIA, QUE CHOROU SEGUNDA-FEIRA.”

 

6ª Semana - 1º e 2º Ano

  • Faixa etária indicada: acima de 06 anos
  • Participantes: a partir de 03
  • Habilidades envolvidas: Orientação espacial; Controle de impulsos; Habilidades sociais
  • Uma das crianças fará o papel de perseguidor, tapando os olhos e contando até cem enquanto os outros se escondem. Após terminar de contar, o perseguidor vai atrás dos demais. Quem for encontrado e tocado pelo perseguidor fica fora do
  •  

  • Faixa etária indicada: acima de 03 anos
  • Habilidades envolvidas: Atenção e foco; Controle de impulsos; Ritmo; Memória auditiva de curto prazo
  • Aprender essas canções, além de ser um ótimo passatempo, desenvolve a memória auditiva de curto prazo, a atenção e a consciência fonológica de seu filho. Dentre as canções cumulativas mais conhecidas, podemos citar “A velha a fiar”, “A árvore da montanha”, “Fui visitar minha tia em Marrocos”, “Lá em casa” e “Meu galo”.
  •  

  • Faixa etária indicada: acima de 02 anos
  • Participantes: a partir de 02
  • Habilidades envolvidas: Controle de impulsos; Raciocínio lógico; Habilidades sociais
  • Como a “Cabaninha”, essa brincadeira é muito simples e ajuda a desenvolver habilidades sociais. Você pode ceder utensílios para serem utilizados na “casinha”, ou seus filhos podem produzi-los usando sucata. A simulação da vida real é uma ótima maneira de despertar na criança a noção de responsabilidade.

  • Faixa etária indicada: acima de 03 anos
  • Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Coordenação motora grossa; Equilíbrio; Orientação espacial; Lateralidade; Ritmo
  • Com um pouco de treino, as crianças conseguem manter o bambolê girando em volta da cintura. Pode-se tocar uma música durante a brincadeira. Se houver mais de uma criança, vence quem mantiver o bambolê no ar por mais tempo, devendo a outra pagar

Espécie de jogo verbal que consiste em dizer, com clareza e rapidez, versos ou frases com grande concentração de sílabas difíceis de pronunciar, ou de sílabas formadas com os mesmos sons, mas em ordem diferente. Vamos tentar:

“QUANDO TOCA A RETRETA, NA PRAÇA REPLETA, SE CALA O TROMBONE, SE TOCA A TROMBETA.”

“NO VASO TINHA UMA ARANHA E UMA RÃ. A RÃ ARRANHA A ARANHA. A  ARANHA ARRANHA A RÃ.”

“- ALÔ, O TATU TAÍ? – NÃO, O TATU NUM TÁ. MAS A MULHER DO TATU TANDO É O MESMO QUE O TATU TÁ.”

“TECELÃO TECE O TECIDO, EM SETE SEDAS DE SIÃO. TEM SIDO A SEDA TECIDA, NA SORTE DO TECELÃO.

“TIGELINHA DE ÁGUA FRIA, QUE CAIU DA PRATELEIRA, FOI NOS OLHOS DE MARIA, QUE CHOROU SEGUNDA-FEIRA.”

 

5ª Semana - 1º e 2º Ano

  • COMO BRINCAR:
  • Coloque uma venda na criança e ponha um papel e lápis de cor na frente dela. Depois, peça para ela desenhar coisas sem ver, como uma boneca, uma casa, um vaso com flor
  • Outro desafio é desenhar com a mão oposta à dominante.

https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2020/03/23/dicas-de-brincadeiras-e- atividades-para-fazer-com-criancas-em-isolamento.htm?cmpid=copiaecola

  • As crianças devem ser colocadas de mãos dadas, em posições intercaladas, de modo que uma fique de frente para o centro da roda e outra de costas. Ao longo da música elas são convidadas a ir se virando para o centro. Termina a brincadeira quando todos estiveram voltados para dentro da

 

“A canoa virou. Por deixá-la virar,

foi por causa do (nome de um coleguinha) Que não soube remar.

Se eu fosse um peixinho e soubesse nadar,

tirava o (repete o nome do coleguinha) do fundo do mar.

  • Na brincadeira PULA CORDA, uma das extremidades da corda é presa em um poste ou em um portão enquanto um participante fica na outra ponta, batendo. Mas também é possível que duas crianças, uma em  cada   extremidade,   segurem   e   batam  a corda para que outras

  • Faixa etária indicada: acima de 04 anos
  • Participantes: a partir de 03
  • Habilidades envolvidas: Consciência corporal; Equilíbrio; Atenção e foco; Controle de impulsos
  • Um dos participantes – o “mestre” – toca uma música enquanto os outros dançam. O “mestre” interrompe a música de repente, e as demais crianças devem manter a última posição em que estavam. Vence quem conseguir manter a posição por mais tempo. Pode-se definir se dar risada conta como “mexida” ou não, pois, quando o “mestre” começar a andar por entre as crianças, fazendo caretas e tentando desconcentrá-las, vai ser difícil não cair na

  • Faixa etária indicada: acima de 04 anos
  • Participantes: a partir de 04
  • Habilidades envolvidas: Ritmo; Lateralidade; Atenção e foco; Controle de impulsos; Memória auditiva de curto
  • Sentadas no chão, formando uma roda, as crianças devem passar o objeto que têm em mãos para o vizinho à direita e receber, com a esquerda, o objeto da criança à
  • Aparentemente muito simples, essa brincadeira é na verdade bastante desafiadora: basta ver que muitas vezes os participantes se perdem nos comandos, ou não seguem o ritmo da música, “embolando” a sincronização. Por isso, talvez seja necessário treinar isoladamente os movimentos antes de cantar a música.
  • Supondo que o objeto selecionado para a brincadeira seja um copo plástico, vale a pena treinar com a criança, previamente, os seguintes movimentos:
  • Erguer e abaixar o copo até o chão, cantando uma musiquinha para ajudar a manter o ritmo do movimento, ex: “sobe o copo, desce o copo, sobe o copo, desce o copo”;
  • Pegar o copo oferecido pela criança à esquerda e passá-lo para a criança à direita (“pega e passa, pega e passa”). É bom que esse movimento não ocorra no ar, mas no chão, mantendo-se o copo à frente da criança, pois é mais difícil manter o ritmo quando o movimento é executado no ar;
  • Treinar o movimento de zigue-zague, ou seja: sem soltar o copo, leva-lo à direita, à esquerda e à direita novamente, cantando o“zigue-zigue-zá”.
  • Quando os movimentos já estiverem treinados, comece a cantar a música, combinando o ritmo da melodia à execução dos movimentos:

Escravos de Jó jogavam caxangá (cada criança passa o objeto para a criança à sua direita. Lembre-se: realizando o movimento no chão, o objeto à frente do corpo, fica mais fácil manter o ritmo).

Tira, (erguer o objeto)

põe, (pôr o objeto no chão)

deixa ficar (as crianças dão as mãos)

Guerreiros com guerreiros (voltar a passar o objeto para a criança à direita).

fazem zigue, (colocar o objeto à frente do corpo à direita, sem soltar)

zigue, (colocar o objeto à frente do corpo à esquerda, sem soltar)

(colocar o objeto à frente do corpo à direita)

 

[Repetir: “Guerreiros com guerreiros”…]

 

  • Com crianças mais novas, de 4 ou 5 anos, pode-se propor uma variante mais simples, que consiste em passar o objeto para a direita durante a música, seguindo o ritmo, e, ao cantar “zigue-zigue-zá”, manter o objeto parado no chão, com a mão direita sobre

4ª Semana - 1º e 2º Ano

 

  • DURAÇÃO: Em média, 50

 

  • MATERIAIS: Folha de papel para desenho, lápis de cor, canetas e lápis de

 

 

  • DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:
  • Após uma curta meditação, as crianças expressarão os seus sentimentos através de um desenho. Inicie perguntando para as crianças como elas estão se Diga que hoje vocês vão fazer uma atividade para refletir sobre os seus sentimentos.
  • Questione se eles já ouviram a palavra meditação e pergunte se eles sabem o que ela significa. Explique que a meditação é um exercício onde nos sentamos sozinhos, de olhos fechados e focamos em um pensamento ou uma atividade específica, buscando nos conectar com nós
  • Em seguida peça para elas se sentarem de forma confortável e fecharem os olhos. Solicite que façam três respirações profundas:

inspirando pelo nariz e soltando o ar pela boca.

  • Depois diga: “Agora eu quero que vocês prestem atenção no que estão sentindo”. Avise que eles devem permanecer em silêncio e de olhos fechados até o seu Se necessário, guie a meditação para direcionar aos sentimentos. Procure fazer uma pausa entre cada frases ou perguntas (abaixo), para que as crianças tenham tempo de sentir e refletir.
  • “Repare em como você está se sentindo”;
  • “Veja se você está calmo ou agitado”;
  • “Perceba se tem algum sentimento ou emoção dentro do seu corpo”;
  • “Repare o que você sente nas diferentes partes do seu corpo, na barriga, no peito, na ..”;
  • “Perceba se o que você está sentindo é um sentimento gostoso e agradável ou é um sentimento difícil”;
  • “Este sentimento tem uma cor? Seria uma cor clara ou uma cor escura?”
  • Depois de um a cinco minutos, encerre o exercício solicitando que elas abram os olhos. 
    UMA OUTRA FORMA DE CONDUZIR A MEDITAÇÃO É QUESTIONAR AS CRIANÇAS:
  • “Como elas estão se sentindo no presente momento, e na atual situação”;
  • “Como é ficar em casa, qual sentimento sentem no corpo, como avaliam esse sentimento”. Além disso, outros familiares também podem participar dessa atividade, fazendo a meditação em conjunto e um adulto guiando e marcando o o tempo.



    EXPLICAÇÃO DA ATIVIDADE
  • Explique que as crianças farão um desenho para representar o que sentiram durante o exercício. Comunique que as cores podem ajudá-los a representar os seus Caso, os adultos participem da atividade, eles poderão fazer um desenho ou mesmo escrever sobre os sentimentos e como foi realizar a meditação.

 

  • Iniciando – Peça que as crianças façam um desenho que represente as emoções que sentiram no momento da meditação. Procure conversar com eles sobre como estão representando seus sentimentos.

 

  • Encerramento – Após terminarem o desenho, sentem-se em roda e contem como foi a experiência de meditar e desenhar o que sentiram depois da

 

É importante que todos que praticaram a meditação compartilhem seus sentimentos.

  • DURAÇÃO: Cerca de 20 minutos – a depender da quantidade de participantes e de
  • DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE: As Crianças irão representar e observar algumas emoções, através de expressões corporais e faciais; Solicite que as crianças façam uma expressão facial para demonstrar cada emoção que surgirá a partir de lista de situações a ser apresentada para elas:
  • LISTA DE SUGESTÕES:
  • Como você se sente quando…
  • Ganha um presente?
  • Vê uma barata?
  • O seu amigo não te chama para brincar?
  • O seu brinquedo favorito quebra?
  • Escuta a sua música favorita?
  • Come uma comida que não gosta?
  • Fica doente?
  • Falta luz e fica tudo escuro?
  • Não pode abraçar uma pessoa que você gosta? Preciso ficar em casa?
  • Não pode brincar com meus amigos na escola?

    EXPLICAÇÃO DO JOGO:

    • Diga para as crianças que elas precisarão usar as emoções em um jogo. Explique que vão brincar com um jogo de adivinhação, em que você irá combinar uma determinada situação com um dos participantes e ele irá fazer uma mímica para os demais participantes, mostrando a emoção que sentiria naquela situação, por meio de expressões corporais e/ou

     

    • Quando alguém adivinhar a emoção, troquem os papéis – quem fez a mímica se junta aos demais participantes para adivinhar e quem adivinhou fará outra mímica.
    • Fale que a situação que você vai contar é segredo, logo, só a pessoa que vai fazer a mímica naquela rodada vai escutar a situação, e depois voltar para o grupo ou para as suas respectivas

     

    • Se o jogo for realizado apenas com duas pessoas, você e uma criança, por exemplo, peça que ela mesma imagine uma situação e qual emoção sentiria e você precisará adivinhar. Após o acerto, troquem de papéis e a criança adivinha o que você fez de mímica.

     

    • Depois de explicado o jogo decidam, entre si, quem será o participante (pessoa A) que começará fazendo a mímica.

     

    • Comecem a brincadeira, chamando a pessoa A para longe dos demais e contando uma situação em voz baixa para eles. Você pode optar por usar situações em que as crianças já tenham passado ou tenham conhecimento para que seja possível fazer as mímicas ou que estejam passando nesse momento de distanciamento social. Depois peça para a pessoa A fazer uma mímica de como se sentiu naquela situação

    – e os demais participantes precisarão nomear a emoção.

     

    ENCERRAMENTO:

    • Após a brincadeira, inicie um debate, fazendo perguntas: “Como foi fazer mímica de uma emoção?”; “Como foi descobrir o que a outra pessoa estava sentindo?” e “Como vocês descobriram que o outro estava sentindo medo?” “Nessa situação você sentiria a mesma coisa?” ou “Teve alguma situação que você se sentiria de outra forma?”; “O que vocês acham?”. Se houver disponibilidade, converse sobre cada situação e emoção.

     

    • Conclua, dizendo que muitas vezes precisamos perceber o corpo e o rosto do outro, para identificar o que ele está sentindo e procurar ajudá-lo. Desafie as crianças: “Gostaria que todos ficassem atentos às outras pessoas de agora em diante, para que fique mais fácil ajudá-los quando estiverem tristes, com raiva ou medo. Combinado?”.

  • DURAÇÃO: De 10 a 30
  • MATERIAIS: Papel, lápis, caneta colorida e tesoura.
  • DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:
    • Os participantes da atividade irão praticar diferentes formas de respirar. Cartas confeccionadas pelas crianças: Respirando como a Natureza. Realize uma oficina para a confecção das cartas em que a(s) criança(s) desenha(m) os elementos da natureza (cobra, urso, abelha, elefante, coelho, flor e macaco) citados nas cartas. As cartas confeccionadas pela(s) criança(s) serão, então, utilizadas para realizar o sorteio para esta atividade.

PROCEDIMENTOS:

  • Peça para que os participantes prestem atenção em suas respirações. Auxilie-os por meio de perguntas e observações: “Perceba se você está puxando o ar pelo nariz ou pela boca”; “Repare também se você está soltando o ar pelo nariz ou pela boca”; “Você passa mais tempo inspirando ou expirando?”; “O que acontece com o ar que você inspira? Ele vai para onde? Ele para em seu peito ou segue até a sua barriga?”.
  • Para iniciar o jogo pergunte quem gostaria de tirar a primeira carta e peça que leia a explicação relativa a carta sorteada em voz alta para todos. Depois de realizarem o exercício, chame outra pessoa para tirar a próxima carta. Pratique as respirações junto com as crianças, servindo de modelo e incentivo para elas. Quando necessário, auxilie com a leitura das instruções e oriente-as sobre como deve ser praticada a respiração, como: “Lembrem de segurar o ar por dois segundos nesta respiração”. Se possível, procure passar por todas as cartas durante a atividade para que possam conhecer e praticar os diferentes tipos de respiração. Mas, se não houver tempo, vocês podem aprender como fazer as outras respirações das próximas vezes. Encerramento Reflitam conjuntamente sobre o impacto que o jogo teve na respiração deles.

SUGESTÃO DE PERGUNTAS:

  • “Como vocês estavam se sentindo antes do jogo? E agora?”;
  • “Quem está se sentindo mais relaxado do que antes”;
  • “Vocês acham que ao estar mais relaxados, vocês estão mais preparados e dispostos para realizarem as demais atividades e tarefas do dia de hoje?”.

 

OUTRAS SUGESTÕES:

  • Respiração de Urso – Faça de conta que você é um urso se preparando para ir dormir. Estique os braços para se espreguiçar! Inspire pelo nariz por 4 segundos. Segure o ar por 3 segundos. Expire pela boca por 4 segundos. Repita essa respiração três
  • Respiração de Cobra – Faça de conta que você é uma cobra. Inspire pelo nariz por 3 segundos. Segure o ar por 3 segundos. Expire pela boca fazendo o sibilo da cobra até terminar o ar. Repita essa respiração três
  • Respirando como a Natureza – Sibilo: som agudo e prolongado produzido pelo ser humano, por alguns animais (pássaros, cobras etc.) ou pelo atrito de algum objeto com o ar; silvo, assobio, zumbido, sibilação.
  • Respiração Tromba de Elefante – Fique em pé com os pés Junte seus braços e entrelace suas mãos. Deixe seus braços caírem em frente ao seu corpo como as trombas de um elefante. Inspire pelo nariz e levante lentamente seus braços como a tromba de um elefante em 4 segundos. Expire pela boca descendo os braços para posição original em 4 segundos. Repita essa respiração três vezes.
  • Respiração de Abelha – Sente de pernas Feche os olhos e tape seus ouvidos com as mãos. Inspire pelo nariz por 3 segundos. Expire pelo nariz por 3 segundos, fazendo o zumbido da abelha (de boca fechada). Repita essa respiração três vezes.
  • Respiração de Macaco – Sente de pernas cruzadas e finja que você é um macaco. Coloque uma mão na barriga. Inspire pelo nariz, estufando a barriga. Solte o ar pelo nariz, esvaziando a barriga. Repita essa respiração três vezes.


DESENVOLVIMENTO DA BRINCADEIRA
 

  • Escolha uma das crianças para ser o rato e outra para ser o gato. O restante do grupo faz uma roda de mãos dadas, formando a
  • O jogo de pega-pega começa com o rato e o gato fora do círculo.
  • O rato será perseguido pelo gato e, sempre que quiser, poderá entrar na toca para se esconder. Já o gato não pode entrar na toca, mas pode tentar alcançar o rato pelo lado de fora. Caberá aos jogadores que formam a toca proteger o ratinho, levantando os braços ou fechando as
  • Para aumentar a dificuldade do jogo, entre as crianças da roda escolha uma para ser o relógio e a outra a porta. A brincadeira começa com o seguinte diálogo:

GATO: “SEU RATINHO ESTÁ?” TODOS: “NÃO, FOI COMER QUEIJO.” GATO: “A QUE HORAS ELE VOLTA?”

  • A criança que for o relógio escolhe um horário. Enquanto todos da roda giram, o gato vai perguntando ‘que horas são?’ e todos respondem: ‘uma hora’, e assim por Quando chegar na hora escolhida, quem for a porta levanta os braços e o gato poderá entrar na toca passando por ela. No entanto, o rato terá a vantagem de poder passar por todas as outras aberturas, enquanto o gato será impedido pelos outros jogadores.

  • MATERIAIS: Papel e lápis de cor
 COMO FAZER: Uma pessoa desenha sob instruções da outra. Pode-se fazer perguntas:

O que é? (uma raposa) Onde está? (na floresta) É dia ou noite? (dia) Perto do quê? (da flor)

…e mais detalhes, detalhes e detalhes. Se possível revezem a função.


  • MATERIAL:
    Papel e lápis
COMO FAZER: Faça uma linha (pode ser simples, ter curvas, espiral…) e outro tem de transformá-la em um desenho (também com uma linha).
  • Para dificultar, coloque a regra “não pode figura humana”, ou seja, tem que fazer um desenho, mas não pode ser pessoa. Desafio!
  • Para facilitar, libere todas as categorias e permita que os pequenos complementem com mais de uma

3ª Semana - 1º e 2º Ano

 

MATERIAIS: Caixa de papelão, retalhos de tecidos, tesoura, canetinhas, fita durex e velcro

  • COMO FAZER: Dá para fazer muita coisa incrível com uma caixa de papelão. Que tal uma cabana? Pode-se, ainda, construir cabanas com tecidos, usando a mesa ou cadeiras. Essas cabanas servem para muitas brincadeiras significativas e podem envolver outros membros da família. Os pequenos adoram poder organizar algo que dê a eles imensas possibilidades de criação e prazer. Dentro das cabanas, os pequenos constroem um mundo imaginário!
    • Para começar, “abra” a caixa, recortando suas laterais.
    • Só um dos lados deve permanecer intacto. A caixa parece virar uma grande folha de papel. Coloque uma fita na dobra, para reforçá-la e evitar rasgos durando o manuseio.
    • Para a cabana se manter em pé, corte duas tiras do papelão e prenda com velcro na paredes laterais da tenda.
    • Assim a cabana ganhará uma base de sustentação.
    • Prontinha a cabana de caixa de papelão, que tem a enorme vantagem de ser dobrável e fácil de guardar!

  • MATERIAIS: objetos com diferentes texturas (liso, duro, macio, áspero)
  • COMO FAZER: Você faz uma lista de objetos com diferentes texturas (liso, duro, macio, áspero) e as crianças precisam andar pela casa para encontrá- los. Para os maiores, a brincadeira fica mais interessante se tiver um tempo determinado para cumprir” o
  • Cante com a criança a música “Eu era assim”. Faça mímicas correspondentes a cada
  • Quando eu era nenê, nenê, nenê, eu era assim, eu era assim ( Nina um bebê nos braços);
  • Quando eu era menino, menina, menino, eu era assim, eu era assim (Pula corda);
  • Quando eu era mocinho, mocinha, mocinho, eu era assim, eu era assim (Arruma-se no espelho);
  • Quando eu era casado, casada, casado, eu era assim, eu era assim (Passeia de braço dado);
  • Quando eu era papai (mamãe), papai (mamãe), eu era assim, eu era assim (Aperta levemente as bochechas com as duas mãos);
  • Quando eu era vovô ( vovó), vovô (vovó), eu era assim, eu era assim (Anda um pouco curvado)
  • Essa música é facilmente encontrada no
  • MATERIAIS: giz, fita ..
  • COMO FAZER: Faça diferentes tipos de traços no chão: retos, ondulados, curvas, círculos e outros. A proposta é que as crianças brinquem de andar em cima dos traços sem pisar fora da linha seguindo seus
  • Na ponta dos pés;
  • Apenas com os calcanhares
  • Com as mãos na cabeça;
  • Com as mãos na cintura

Segurando um objeto

Prepare-se: Crie móveis e eletrodomésticos de cozinha com caixas de papelão (pia, fogão, geladeira, armários); providencie  brinquedos que representem utensílios de cozinha e todo tipo de material que possa incrementar o faz de conta – tecido ou retalhos para serem usados como toalhas, alimentos de brinquedo ou peças de jogos para serem usados com essa intenção, etc.
Convide as crianças para brincar nesse espaço e entre na brincadeira também, aproveite sua participação para orientar os processos higienização e cuidados com a manipulação dos alimentos. Portanto, da forma mais natural possível, alerte sobre a importância de lavar as mãos com água e sabão antes de manusear a comida, sobre a necessidade de descartar o que caiu no chão, a importância de alguns alimentos ficarem sobre refrigeração para não estragarem , entre outros aspectos que as situações criadas pelas crianças permitam.

  • MATERIAIS: 2 folhas de jornal, 1 sacola plástica e uma tesoura.

 

v COMO FAZER:

  • Corte as alças da sacola e separe-as;
  • Corte a sacola em formato de quadrado;
  • Amasse o jornal formando uma bola;
  • Coloque a bola de jornal dentro da sacola e amarre com as alças (tira) da
  • Ficou prontinha sua peteca! Agora é só brincar com a família.

Visite o link abaixo e veja como fazer: youtube

  • MATERIAIS: rolo de papel higiênico, papel colorido e lã.

COMO FAZER:

  • Pegue os dois rolos de papel higiênico e cole um no outro com fita gomada. Decore-os como
  • Prenda um pedaço de lã na ponta de cada
  • Com o binóculo explore diferentes ambientes e descubra muitas coisas: objetos da casa, objetos por cores, observe as nuvens…

  • MATERIAIS: papel cartão, tesoura, cola e canetinhas coloridas.
  • COMO FAZER: Veja como construir uma onça pintada de forma bem simples a partir de um retângulo de papel- cartão, cartolina ou papelão. Faça junto com a criança.

2ª Semana - 1º e 2º Ano

 

Essa brincadeira é uma variação da brincadeira Vivo, Morto. O líder conduz a fazendo os comandos: “vivo, morto, torto” várias vezes e de forma alternada. Quando o disser VIVO todos ficam em pé, quando disser MORTO, todos ficam agachados e quando o comando for TORTO as crianças ficam tortas para um lado. Quem errar o movimento indicado, sai da brincadeira até sobrar só um participante que, por sua vez será o líder. A brincadeira recomeça e continua enquanto houver o interesse das crianças. 

 Trace no chão a linha de partida e a linha de chegada;
 Organize as crianças na linha de partida e peça que ao seu comando, saltem imitando os movimentos do sapo em direção à linha de chegada;
 Aquele que ultrapassar primeiro a linha de chegada, será o campeão 

Caso tenha apenas uma criança em casa, peça que ela faça o percurso duas vezes ou mais. Marque o tempo para ver qual das vezes ela consegue fazer o percurso mais rápido.  

Duas deitam no chão com as plantas dos pés unidas enquanto você coordena os movimentos:
Vamos lá! Pedalando bem devagarinho;
Agora um pouco mais rápido;
Ainda mais rápido;
Agora vamos desacelerar;
Mais devagar até parar.
Caso tenha só uma criança em casa, que tal entrar na brincadeira com ela?
  

Cante com a criança a música “Eu era assim”. Faça mímicas correspondentes a cada estrofe.
Quando eu era nenê, nenê, nenê, eu era assim, eu era assim ( Nina um bebê nos braços);
Quando eu era menino, menina, menino, eu era assim, eu era assim (Pula corda);
Quando eu era mocinho, mocinha, mocinho, eu era assim, eu era assim (Arruma-se no espelho);
Quando eu era casado, casada, casado, eu era assim, eu era assim (Passeia de braço dado);
Quando eu era papai (mamãe), papai (mamãe), eu era assim, eu era assim (Aperta levemente as bochechas com as duas mãos);
Quando eu era vovô ( vovó), vovô (vovó), eu era assim, eu era assim (Anda um pouco curvado).
Essa música é facilmente encontrada no Youtube.
 

Prepare-se: Crie móveis e eletrodomésticos de cozinha com caixas de papelão (pia, fogão, geladeira, armários); providencie  brinquedos que representem utensílios de cozinha e todo tipo de material que possa incrementar o faz de conta – tecido ou retalhos para serem usados como toalhas, alimentos de brinquedo ou peças de jogos para serem usados com essa intenção, etc.
Convide as crianças para brincar nesse espaço e entre na brincadeira também, aproveite sua participação para orientar os processos higienização e cuidados com a manipulação dos alimentos. Portanto, da forma mais natural possível, alerte sobre a importância de lavar as mãos com água e sabão antes de manusear a comida, sobre a necessidade de descartar o que caiu no chão, a importância de alguns alimentos ficarem sobre refrigeração para não estragarem , entre outros aspectos que as situações criadas pelas crianças permitam.

Que tal usar garrafa pet, papelão, folhas coloridas, botões, fitas, retalhos, tampas de garrafa, caixas de fósforo, tubos de papel higiênico, entre outros materiais de sucata e toda sua criatividade para fazer artesanato?
Junto com a criança, confeccione brinquedos, personagens de histórias e até mesmo objetos utilitários usando materiais recicláveis, permita a maior participação possível da criança na confecção. Veja algumas imagens ao lado para inspirar.